início arquivos tools


A morte e a lei: tanatologia forense

ATENÇÃO: ESTA PÁGINA ESTÁ EM CONSTRUÇÃO

Natureza da morte

Súbita

A morte súbita ocorre de forma inesperada, brusca e sem qualquer influência externa.

Agônica

Se arrasta por dias ou mais.

Docimásias

As docimásias são as medidas de determinação de condições de morte através do estudo dos tecidos humanos.

Agônicas

Nas situações de premoriência duvidosa, os cadáveres podem ser analisados quanto a sua composição hepática e circulatória. O indivíduo que morreu primeiro terá maior reserva de glicogênio hepático e de adrenalina suprarenais. A perícia, portanto, pode afastar a comoriência presumida.

Especificamente a docimásia hepática foi estudada por Lacassagne e Martin.

Do recém-nascido

Veja em aborto.

Fenômenos abióticos, avitais ou vitais negativos

Marcam ausência de vida.

Imetiatos

Consecutivos ou tardios

Cronotanagnose

Cronologia dos eventos perimortem

0h - Morte

8h

9h

12h

18h

24h

36h

48h

60h

72h

96h

1 semana

2 semanas

1 mês

3 meses

Outras provas de cessação da vida

São muitos os sinais e provas técnicas descritas para ateste da morte real. Pesquise por “prova de morte” no dicionário.

Fenômenos conservativos do cadáver

Saponificação ou adipocera

Os sais podem esterificar os compostos lipídicos do corpo, tornando-os saponificados, condição esta que prolonga a conservação de boa parte dos tecidos. O cadáver é quebradiço e de complexa manipulação. Alguns tecidos podem coalescer.

Mumificação

Calcificação

Corificação ou coreificação

Fenômeno conservador descrito por Della Volta em 1985 muito raro encontrado em cadáveres que foram selados em urnas metálicas fechadas hermeticamente, principalmente de zinco.

Fenômenos destrutivos do cadáver

Autólise

Putrefação

Maceração

Asséptica

Séptica

I A morte agônica é precedida de doença grave, com perda da consciência, e de estados pré-comatoso e comatoso prolongados. II Sobrevivência é o período de tempo transcorrido desde o instante em que o indivíduo recebe a lesão mortal até que faleça. III Comoriência é a morte simultânea, ao mesmo tempo, de duas ou mais pessoas que foram partícipes do mesmo evento. IV Premoriência é a morte de um dos partícipes de um mesmo evento, instantes antes do(s) outro(s); isto é, a morte de um dos participantes precede a do(s) outro(s).


Notas

?. Informação sem referência. Pesquisar!.

  1. O chamado algor mortis é normalmente referido como o resfriamento do cadáver. Entretanto, o que ocorre de fato é o reequilíbrio térmico com o ambiente que, em condições habituais, está mais frio que o corpo recém morto, passando a impressão térmica ao toque de resfriamento.
  2. A morte cerebral difere da encefálica, sendo esta a característica morte real.
  3. O dito sinal de Kossu é controverso e é descrito normalmente como o espasmo que mantém agarrada pela mão a arma do suicida.
  4. Os chamados cristais de Westenhöffer-Rocha-Valverde são lâminas cristaloides muito frágeis, entrecruzadas e agrupadas, incolores, que adquirem coloração azul pelo ferrocianeto de potássio, e castanha, pelo iodo, passíveis de ser encontradas, segundo Belmiro Valverde, até 35 dias após a morte.

Bibliografia

  1. FRANÇA, Genival Veloso de. Medicina Legal. Guanabara Koogan, 10ª edição, 2015, p. 1030.

medicina · direito · penal · ciência